Barra Urgente

Barra Urgente


Artigo - Diálogo, limite e disciplina: os construtores da relação afetiva.

Segunda | 29.09.2014 | 11h12
Autor: Rumena Lages - Psicóloga pela PUC MG


Foto: Divulgação

A Psicologia compreende o indivíduo, de modo geral, analisando a relação que ele estabelece consigo, mas também com os outros e com o meio em que vive. No que se refere ao sujeito e à família observamos, principalmente através da escola, que os principais problemas enfrentados pelas crianças e adolescentes advêm de uma dificuldade dos pais e/ou responsáveis em estabelecer o diálogo, o limite e a disciplina.

 

Uma relação afetiva saudável está diretamente ligada ao bom modo como uma pessoa se dirige à outra, no momento em que deseja oferecer um conselho, estabelecer uma regra ou ditar uma maneira de agir. Existem duas formas de interação com as pessoas: uma que aproxima (conversa) e outra que afasta (silêncio). Dentro de casa um pai pode interagir com sua esposa através do diálogo e ensinar ao filho como manter um ótimo relacionamento através do bom exemplo ou se manter calado, na maioria das vezes, diante de uma indagação educando erroneamente seu filho e ensinando-o a ignorar o outro.

 

O alimento fortalece o corpo da criança. O afeto, o diálogo e as regras fortalecem seu estado emocional. O diálogo é um instrumento que aproxima as pessoas, porque promove através da fala harmoniosa e do olho no olho um ambiente facilitador de compreensão e mudança de atitudes. As regras devem ser combinadas entre as partes e, geralmente, prescrevem ou proíbem determinados comportamentos em uma sociedade. Essas precisam ser bem definidas, para que não haja necessidade de voltar atrás.

 

O limite deve ser estabelecido e a palavra NÃO é uma aliada nesse processo. Porém, deve ser utilizada com maestria, porque devemos ensinar aos filhos que atitudes trazem consequências e o NÃO deve ser bem explicado. Não existe “porque não”. É preciso transmitir à criança que certas atitudes são ruins, porque podem magoar alguém ou trazer outros problemas mais tarde.

 

E falando em limite falamos em disciplina! Disciplina nada mais é do que seguir o exemplo. Disciplinar é instruir, educar, treinar e modelar o caráter. Desde o Ensino Fundamental até a formação no Médio estudei em um colégio que tinha como slogan a frase: “O melhor ensino é o exemplo.” Nunca me esqueci dessas palavras, porque também vivia isso dentro da minha casa. Filha de pais separados e criada pelos avós maternos me encabulava ouvir das pessoas que filhos de pais separados e “menino criado por vó” são problemáticos.

 

As dificuldades nas relações afetivas encontram-se na forma como nos dirigimos ao outro, seja através da fala ou do comportamento. Reflita sobre o modo como você se dirige às pessoas que fazem parte do seu mundo, seja em casa, no trabalho ou no trânsito. Apresenta dificuldade no diálogo? Comece a mudança de atitude hoje ao chegar a sua casa, interaja com o mundo da sua mãe/pai, esposo (a), filho (a), irmãos, utilizando uma pergunta que é mágica: “Como foi o seu dia?”.

Comentários


Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.