Barra Urgente

Barra Urgente


Paralisação de caminhoneiros pode elevar preços de produtos e gerar desabastecimento na Bahia

Quinta | 26.02.2015 | 20h10
Autor: Blog do Anderson


Fotos: Reprodução / Blog do Anderson

Entidades do setor agrícola, industrial e pecuário estão preocupadas com os impactos que paralisação dos caminhoneiros pode trazer para a Bahia. A reivindicação dos transportadores autônomos é pauta nacional e, por conta disso, estradas de estados como Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Minas Gerais estão bloqueadas há cerca de uma semana. Na Bahia, alguns pontos foram bloqueados desde a última terça-feira (24): a BR-116 (Rio-Bahia), BR-242 (ligação Leste-Oeste) e a Via Expressa (ligação ao porto de Salvador).

 

O dirigente do Sindicato dos Produtores Rurais de Luís Eduardo Magalhães, Moacir Hoppe, afirmou que a paralisação não deve ter data para terminar. O produtor de grãos representa o sindicato perante os transportadores e está mobilizado junto aos caminhoneiros. “Estamos conversando bastante com os transportadores para que não implique prejuízo nas safras e que chegue combustíveis nas fazendas.

 

Estamos procurando não prejudicar tanto a atividade agrícola, quanto a dos transportadores e a sociedade em geral, para não causar desabastecimento”, acrescentou Hoppe. De acordo com o agricultor, esse processo de desabastecimento do estado já está sendo iniciado, porque não estão chegando cargas do Sul do País na Bahia.

 

A Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Bahia (SDE), por meio de sua assessoria de comunicação, disse não ter informações sobre o risco de desabastecimento do estado. Em comunicado, a Confederação da Agricultura e Pecuária no Brasil (CNA) se disse apreensiva com os efeitos do movimento de paralisação dos caminhoneiros. “Independentemente de reconhecermos o direito de protesto e de manifestação, temos o dever de alertar para o fato de que a duração e o alcance desse movimento já estão provocando graves perturbações nas cadeias produtivas do agronegócio”, afirma o texto.

Fotos: Reprodução / Blog do Anderson

Comentários


Nenhum comentário, seja o primeiro a enviar.